O fundador do Krav-Maga, Imi Lichtenfeld, abriu duas academias: a primeira, em Netanya; a Segunda, em Tel-Aviv, que foi transferida para o Grão Mestre Yaron como presente de casamento, em 1977.

Passados alguns meses, o número de alunos cresceu e a academia ficou demasiado pequena para todos os novos alunos. Consequentemente, Yaron voltou à sua cidade natal, Rehovot, e lá fundou juntamente com Imi a BUKAN – Escola de Krav-Maga, a primeira do género no mundo, com aproximadamente 3000 alunos e mais de 50 instrutores sob a sua supervisão direta.

O objetivo de Imi ao fundar a Bukan foi o de manter sua arte marcial inteira e completa, sem alterações, cortes ou acréscimos. Imi compreendeu que logo após o seu falecimento pessoas mudariam completamente o Krav-Maga para servir aos seus próprios interesses.

O profissionalismo inegociável que Yaron herdou de Imi e que foi aplicado diariamente nas aulas que ministrou atraiu milhares de alunos para o Krav-Maga. Várias pessoas da área da educação – professores, diretores e representantes oficiais do ministério da educação, que viram e sentiram a contribuição do Krav-Maga para as pessoas que o praticavam – ajudaram Yaron a levar o Krav-Maga a dezenas de escolas públicas em Israel. Era a primeira vez no mundo que tal projeto estava sendo implantado. Durante esse tempo Imi acompanhou seu grande avanço, sendo um mentor profissional e espiritual para Yaron e para o Krav-Maga,  participando ativamente em todos os eventos.

Com o intuito de receber uma licença especial para dirigir uma escola particular de Krav-Maga, Yaron foi estudar na universidade do Instituto Wingate, e se formou como treinador especializado, sendo o primeiro a receber tal certificação do Instituto Wingate e do Ministério de Educação em Israel. Consequentemente, tornou-se o único autorizado por um órgão público oficial a conceder diplomas de instrutor em Krav-Maga.

Em 1989, a primeira delegação de instrutores e alunos de Krav-Maga, com dezenas de integrantes, viajou para a Holanda com o objetivo de difundir o Krav-Maga fora de Israel. Assim foi feito o primeiro passo para a expansão do Krav-Maga pelo mundo.

Yaron publicou em conjunto com Imi dois livros sobre o Krav-Maga, incluindo praticamente toda a matéria e todos os movimentos autênticos e originais da mesma forma que foram criados por Imi, sem nenhuma alteração (ao contrário do que muitos fazem hoje em dia).

As duas obras: “Krav-Maga – Arte marcial Para Defesa Pessoal” e “Krav-Maga – O Poder, O Mistério, A Verdade”, escritas por Imi e Yaron, abriram um caminho inédito para todos os praticantes de Krav-Maga.

No mês de maio de 2007, o Grão Mestre Yaron e seu filho, Sensei Rotem, publicaram também outra obra: “O Livro do Krav-Maga – A Bíblia”.

Atualmente a Escola está presente em mais de 10 países, e é chefiada pelo Grão Mestre Yaron, sucessor profissional e oficial de Imi.

A Escola tem por finalidade promover o Krav-Maga como arte marcial israelense para defesa pessoal. Portanto, dispõe de ampla diversidade de cursos e seminários de Krav-Maga e Defesa Pessoal no intuito de facilitar o acesso à arte ao maior número possível de pessoas.

O Krav-Magá como arte marcial realmente ganhou reconhecimento mundial, resultado direto do trabalho de centenas de instrutores que foram qualificados ao longo dos anos. Porém, apenas poucos hoje em dia, fora de Israel, ensinam o Krav-Maga na sua língua original, a língua de Israel, o Hebraico, ou sem cortes e acréscimos de técnicas.

Já pelo nome dado por Imi à cada técnica, o aluno pode entender como o exercício deve ser aplicado. Para alguns golpes e movimentos, Imi até criou nomes hebraicos que na verdade não existiam na língua hebraica.